ESTATÍSTICAS INTERNACIONAIS

  • Estima–se que 13,5 milhões de pessoas mundialmente consomem opiáceos (substâncias originárias do ópio), incluindo 9,2 milhões que consomem heroína.
  • Em 2007, 93% do fornecimento mundial de ópio vinha do Afeganistão. (O ópio é a matéria prima da heroína.) O seu valor total de exportação foi de cerca de 4 milhares de milhões de dólares, do quais quase ¾ foram para os traficantes. Apenas ¼ foi para os cultivadores de ópio afegãos.
  • O Inquérito Nacional sobre o Consumo de Drogas e Saúde de 2007 relatou 153.000 heroinómanos atuais em 2007. Outras estimativas dão números tão elevados como 900.000.
  • Os opiáceos, nomeadamente a heroína, estiveram envolvidos em 4 de cada 5 mortes relacionadas com as drogas na Europa, de acordo com um relatório de 2008 do Centro Europeu de Vigilância sobre as Drogas e Toxicodependência.
  • Os opiáceos, principalmente a heroína, são responsáveis por 18% dos internamentos para tratamento de drogas e álcool nos EUA

A partir do dia em que comecei a consumir, nunca parei. No espaço de uma semana fui de inalar heroína para começar a injectá–la. Num mês fiquei dependente e comecei a gastar todo o meu dinheiro. Vendi tudo o que tinha de valor e por fim tudo o que era da minha mãe. Num ano, perdi tudo.

“Vendi o meu carro, perdi o meu emprego, fui expulsa da casa da minha mãe, tinha 25.000 dólares de dívida no cartão de crédito, e vivia nas ruas de Camden, Nova Jérsia. Mentia, roubava, enganava.

“Fui violada, espancada, estrangulada, roubada, presa, era uma sem–abrigo, estava doente e desesperada. Sabia que ninguém podia sustentar um estilo de vida assim durante muito tempo e sabia que a morte estava iminente. Seja como for, a morte era melhor do que a vida como drogada.” — Alison