OS EFEITOS DESTRUTIVOS DA HEROÍNA

As drogas são igual a morte. Se não faz nada para as deixar, acaba por morrer. Ser toxicodependente é estar aprisionado. De início, pensa que as drogas são suas amigas (parecem ajudá–lo a escapar às coisas ou sentimentos que o incomodam). Mas depressa descobre que acorda de manhã apenas a pensar em drogas.

“Todo o seu dia é gasto a descobrir ou a consumir drogas. Fica drogado todas as tardes. À noite, põe–se a dormir com heroína. E vive apenas para isso. Está numa prisão. Bate com a cabeça contra a parede, sem parar, mas não o leva a lado nenhum. Por fim, a sua prisão torna–se o seu caixão.” — Sabrina

 


DANOS IMEDIATOS: Os efeitos iniciais da heroína incluem um aumento da sensação — uma “elevação”. Isso é acompanhado frequentemente de um sentimento quente da pele e boca seca. Por vezes, a reação inicial pode incluir vómitos ou severa comichão.

Depois destes efeitos iniciais se desvanecerem, o consumidor fica sonolento durante várias horas. As funções básicas do corpo tais como respiração e batimento cardíaco abrandam.

Horas após os efeitos da droga terem diminuído, o corpo do dependente começa a ansiar por mais. Se ele não arranja outra “cena”, irá começar a sentir a abstinência. A abstinência inclui os efeitos físicos e mentais extremos os quais são sentidos se o corpo não é abastecido outra vez com a dose seguinte de heroína. Os sintomas da abstinência incluem insónias e dores nos ossos, diarreia, vómitos e desconforto severo.

A intensa subida que um consumidor pretende dura apenas alguns minutos. Com o uso continuado, a pessoa necessita de quantidades crescentes da droga apenas para se sentir “normal”.

Efeitos a curto prazo

  • “Subida”
  • Respiração deprimida
  • Funcionamento mental pouco claro
  • Náuseas e vómitos
  • Tranquilização; sonolência
  • Hipotermia (temperatura corporal mais baixa do que o normal)
  • Coma ou morte (devido a overdose)