NA ESTRADA DA TOXICODEPENDÊNCIA

Crédito fotográfico: Alamy

Devido à tolerância existente, a marijuana leva os seus consumidores a consumirem drogas ainda mais fortes para terem a mesma euforia. Quando os efeitos começam a desaparecer, a pessoa pode voltar–se para drogas mais potentes para se libertar de condições indesejáveis que prontamente o levaram a consumir marijuana em primeiro lugar. A própria marijuana não leva a pessoa a outras drogas; as pessoas consomem drogas para se livrarem de situações ou sentimentos indesejados. A droga (marijuana) mascara o problema durante algum tempo (quando o consumidor está eufórico). Quando a “viagem” se desvanece, o problema, a condição indesejada, a situação retorna mais intensamente do que antes. O consumidor pode então optar por drogas mais fortes já que a marijuana já não “funciona”.

A vasta maioria dos consumidores de cocaína (99,9%) começaram primeiro por consumir uma “droga de apresentação” como a marijuana, os cigarros ou o álcool. Claro que nem todos que consomem marijuana e haxixe começam a consumir drogas mais pesadas. Alguns nunca o fazem. Outros desistem completamente de consumir marijuana. Mas alguns viram–se mesmo para drogas mais pesadas. Um estudo descobriu que os jovens (dos 12 aos 17 anos) que consomem marijuana, têm 85 vezes mais probabilidade de consumir cocaína do que as crianças que não consomem erva e que 60% das crianças que fumam erva antes dos 15 anos passam a consumir cocaína.

A marijuana algumas vezes é combinada com drogas mais pesadas. Os charros às vezes são banhados em PCP, um alucinógenio poderoso. O PCP é um pó branco, também disponível em forma líquida, a qual é usada com a cannabis. O PCP é conhecido por causar comportamento violento e criar reações físicas severas incluindo convulsões, coma e até a morte.

“Fumei o meu primeiro charro no pátio da escola. Agora sou um dependente de heroína e acabo de finalizar o meu oitavo tratamento para a dependência de drogas.”— Christian