CRIANÇAS: AS VÍTIMAS MAIS INOCENTES DO CRACK

As vítimas mais inocentes do crack são os bebés nascidos de mães que consumiram a droga durante a gravidez. O March of Dimes, uma organização sem fins lucrativos para a gravidez e saúde do bebé, relata que o uso da cocaína tanto em forma de pó ou crack durante a gravidez pode afectar de muitas maneiras a mulher e o seu feto. Durante os primeiros meses de gravidez, pode aumentar o risco de aborto. Pode também fazer com que o feto sofra derrames cerebrais, danos cerebrais permanentes ou ataques cardíacos.

O Nacional Institute for Drug Abuse (Instituto Nacional da Toxicodependência) relata que a exposição ao crack durante a gravidez pode causar problemas significativos futuros em algumas crianças.

“Fui induzida a fumar crack, e foi aí que tudo deixou de funcionar. Estava a sair com algumas pessoas que naquela época considerava amigos muito chegados. Sabem, é verdade o que dizem sobre o crack: quando obtém aquela primeira pedra, não conseguirá aquela euforia outra vez. . .Arruinou–me completamente. Tomou o controlo total da minha pessoa.

“O crack arruinou a minha reputação, o meu amor–próprio e o meu autorespeito.”– Diane